quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Parábolas de Jesus - EVOLUÇÃO

Esta é a aula de encerramento do curso de Parábolas de Jesus. Com ela, além da interpretação do texto, faremos no final, um apanhado geral do conhecimento adquirido pelo estudo das demais parábolas.

A VIDEIRA E SEUS RAMOS Jo 15:1-8

Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o viticultor.

Toda vara em mim que não dá fruto, ele a corta; e toda vara que dá fruto, ele a limpa, para que dê mais fruto.

Vós já estais limpos pela palavra que vos tenho falado.

Permanecei em mim, e eu permanecerei em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não permanecer na videira, assim também vós, se não permanecerdes em mim.

Eu sou a videira; vós sois as varas. Quem permanece em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.

Quem não permanece em mim é lançado fora, como a vara, e seca; tais varas são recolhidas, lançadas no fogo e queimadas.

Se vós permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedi o que quiserdes, e vos será feito.

Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim serão meus discípulos.

É a semana final de Jesus em Jerusalém. Em Jo 14:21-26, Jesus dá as últimas instruções aos discípulos. Apenas João nos detalha estas instruções e finaliza com a mensagem de conforto através da parábola da Videira.

Nas religiões que cercavam a antiga Israel, a videira era considerada uma árvore sagrada, até mesmo divina. O Antigo Testamento possui inúmeras citações. Na abertura e apresentação do Livro dos Espíritos foi recomendado colocar o desenho de uma videira como representação do homem e sua evolução.

Em Isaías 5, Deus compara a própria nação de Israel como uma videira, desejando que este povo produzisse os seus frutos para que Deus fosse conhecido entre todas as nações.

A Videira: Jesus usando uma planta muito conhecida e cultivada pelo povo para falar de sua relação conosco e da nossa com ele. Qualquer um conhecia o desenvolvimento, os cuidados e segredos para sua produtividade.


1º MOMENTO: “Eu sou”, Jesus começa se apresentando como a videira verdadeira plantada pelo Pai. Segundo ele, o Pai é o agricultor, ou seja, existe um direcionamento de Deus, onde ele planejou, executou e, já que por meio de Israel não deu certo, envia ao mundo Jesus para que o fruto da salvação seja conhecido e provado por todos. A salvação era um tema muito discutido, pois se aguardava para qualquer instante o final dos tempos. Com a interpretação da Doutrina dos Espíritos, atualizando esta compreensão, entendemos salvar-se como situar-se, percebermos nossa posição no mundo e o que devemos fazer para nos melhorarmos.

Toda vara em mim que não dá fruto”: o tronco da videira não produz folhas ou frutos, somente os ramos. Os ramos devem permanecer ligados à videira, eles não têm vida em si mesmo, não se mantém vivos sozinhos. Dependem da seiva e da conexão ao tronco. No momento que o ramo deixa de estar ligado na videira, ele seca e morre.

ele a corta”: separa do grupo para não desviar a força vital da produção. Mais adiante, esta etapa é reforçada por ações categóricas e enfáticas: CORTA; TIRA; LANÇADO FORA. Não há hipótese, Deus poda independentemente do que desejamos afinal ele sabe do que precisamos.

A PODA, o corte e a limpeza, embora dolorosa, são necessários, pois muitas coisas sugam nossa força e nos impedem de nos dedicarmos integralmente à produtividade. Retiramos nossas imperfeições, podando brotos defeituosos para que outros venham vigorosos e dêem mais frutos. De poda em poda vamos nos aperfeiçoando. Renovação feita através de limpeza, muitas vezes dolorosa, mas benéfica e necessária.

toda vara que dá fruto, ele a limpa, para que dê mais”: os ramos são aparados para que a vitalidade da videira não seja desperdiçada, preparando o ramo para ser o mais eficiente possível.

Vós já estais limpos”: identifica aqueles que já dão frutos, que o Pai já havia limpado e preparado, por isso, assimilam o que Jesus diz.


2º MOMENTO: PERMANECER. Jesus leva isto tão a sério que repete oito vezes a condição de se permanecer nele. Permanência em Jesus é comunhão com ele. É não permitir que qualquer área de nossa vida fique sujeita ao nosso ego, aos nossos caprichos e desejos. Quem está em comunhão com ele, não tem como não dar frutos.

Nenhum ramo pode dar fruto se não permanecer ligado à videira. Através de Jesus é que somos capazes de produzir nos moldes de que o Pai necessita. Se nos dissociarmos, nosso discernimento perde o foco, ficamos distraídos e passamos a produzir somente as folhas, não chegando a etapa dos frutos.

Numa colheita abundante esperam-se frutos e não folhas. Na parábola da figueira estéril o que foi procurado foram os frutos. Embora a aparência da árvore fosse boa, Mateus nos diz que a árvore era bonita, o que se quer para saciar a fome são os frutos.


3º MOMENTO: A lei de Deus é evolutiva, ascensional: quem é bom, deve se tornar melhor. Então, COMO DAR FRUTOS? Sendo nós os ramos, precisamos de nos desenvolver, de crescer e frutificar. Abastecidos pelo caule e pela raiz, este desenvolvimento, crescimento e frutificação é conseqüência de um trabalho individual. Recebemos o alimento, a palavra de Jesus, e temos que produzir o fruto correspondente: o nosso crescimento espiritual. Muitas vezes há condição de se produzir mais do que se está produzindo e através da poda, que nada mais são do que a correção de nossos atos e provas que necessitamos vivenciar pelas múltiplas existências, vamos desenvolvendo nosso potencial.


4º MOMENTO: vamos cultivar uma videira e, nas folhas que a compõem, iremos escrever os frutos adquiridos com este estudo das parábolas.







Esta é a videira, suas folhas e seus frutos representados pelas palavras nas folhas. Uma vez carregada de folhas, cabe a cada um de nós fazer frutificar realmente.




Obrigado a este grupo (e mais alguns que não aparecem nesta foto) pela oportunidade deste estudo, e com isso, crescer na compreensão de Jesus e seus ensinamentos.




Nenhum comentário: